SÃO JORGE – O GUERREIRO CULTURAL

O culto extraordinário a São Jorge tem origens muito remotas uma vez que seu sepulcro em Lida, na Palestina, onde o mártir foi decapitado no início do século IV, era alvo de peregrinações já na época das cruzadas, quando o sultão Saladino destruiu a igreja construída em sua honra. A imagem de todos conhecida, do cavaleiro que luta contra o dragão, difundida na Idade Média, faz ver a origem da lenda criada acerca deste mártir e contada de várias maneiras em suas muitas paixões.

“Eu andarei vestido e armado com as armas de Jorge para que meus inimigos, tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me vejam, e nem em pensamentos eles possam me fazer mal.

Em louvor ao Santo Guerreiro, a festa do dia 23 de abril começa bem cedo, com alvorada de fogos às 5h e a participação da Banda da Polícia Militar do Rio de Janeiro. É feriado na Cidade e as festividades ocorrem durante todo o dia, com missas às 5h, 15h, 18h e 20h. Barraquinhas ao redor da igreja, que fica na Rua da Alfândega, espalham-se pelas proximidades, servindo bebidas, acarajés, queijo de coalho, carne de sol e outros petiscos. Milhares de fiéis se aglomeram na região do Campo de Santana lotando a igreja para ouvir os cânticos e assistir às missas, pedindo proteção ao Santo.

Criada desde a Idade Média, a devoção a São Jorge logo se espalhou pelos domínios ultramarinos portugueses. Irmandades foram criadas e a fé no Santo tem crescido muito no Rio de Janeiro. O povo se identifica com aquele que tem a espada, acreditando que os pedidos feitos serão atendidos por ele, que matou o dragão da maldade. Pagadores de promessas, policiais e populares são seus devotos e lotam suas igrejas no Campo de Santana, no Centro, e em Quintino, no subúrbio carioca.

No Rio de Janeiro, com o grande afluxo de escravos nos séculos XVIII e XIX, as irmandades de São Jorge eram democráticas e frequentadas por pessoas brancas, negros forros e escravos. No sincretismo religioso, São Jorge foi identificado como Ogum, o orixá ferreiro, senhor do fogo. O santo é tão popular que está incorporado ao modo de vida carioca: na música, nas preces, nas religiões católicas, naquelas de cunho africana e espíritas, nas escolas de samba e na comida.

Oração de São Jorge (Proteção)

Armas de fogo o meu corpo não alcançarão, facas e lanças se quebrem sem o meu corpo tocar, cordas e correntes se arrebentem sem o meu corpo amarrar.

Jesus Cristo me proteja e me defenda com o poder de sua santa e divina graça, Virgem de Nazaré, me cubra com o seu manto sagrado e divino, protegendo-me em todas as minhas dores e aflições.

Deus, com sua divina misericórdia e grande poder, seja meu defensor contra as maldades e perseguições dos meu inimigos.

Glorioso São Jorge, em nome de Deus, estenda-me o seu escudo e as suas poderosas armas, defendendo-me com a sua força e com a sua grandeza, e que debaixo das patas de seu fiel ginete que meus inimigos fiquem humildes e submissos a vós, como ficou, perante vós, o dragão do mal.

Assim Seja! Com o poder de Deus, de seu filho Jesus da Santíssima Virgem e do Espírito Santo. São Jorge Rogai por nós!

Amém.”

Geferson

Eu posso resistir a tudo, menos à tentação! As pessoas normais me assustam! "Cria Cuervos Y Te Sacarán Los Ojos!" Contato: contato@culturasemfrescura.com.br https://www.facebook.com/geferson.oliveira.54

Deixe uma resposta