RESISTIR A QUAIS MUDANÇAS?

“Está ruim, mas está bom”. Já ouviu esta frase? É uma frase polêmica, nela cabe: o cômico, as incertezas, os contraditórios, as conformidades, as incoerências e até as tragédias, enfim, sinônimos que podem camuflar grandes desafios implícitos no contexto. E cabe a pessoa parar de protelar, adiar, procrastinar, talvez deixar de fingir para os outros ou mentir para si mesma sobre suas insatisfações contínuas, que pedem mudanças reais, não nos outros, primeiro em seu próprio modo de pensar, de aceitar viver, de perceber, de interpretar o passado, presente e futuro. E acreditar mais em si é um passo importante diante do que parece não estar dentro de suas possibilidades.

Uma grande mudança pode ser algo bem desejado, bem-vindo, na vida de muitas pessoas. Pode apostar: grandes mudanças, as transformações reais, acontecem sim, quando se reconhece tal necessidade, e prossegue confiando, reforçando, perseverando, em pequenas mudanças comportamentais no cotidiano: a nova maneira de pensar, sentir e agir. Pequenas mudanças transformam você, e levam a grande mudança, que não acontece do dia para a noite (salvo raras exceções). E como também nada acontece por acaso, você (o seu estado atual) não pode ser fruto, também, de nenhum acaso. Por esta e por outras razões, você não deve se arrastar pelos “acasos” em sua vida, por suas corredeiras… Os “mistérios” são revelados quando reconhecemos que podemos acender a luz em nossa própria consciência. Até trocar a luz, se necessário. Como já disseram: para chegar até a fonte (nascente), primeiro deve-se nadar contra a correnteza.

É importante você ganhar consciência que, naturalmente, todos somos diferentes uns dos outros, mas de essencialidade única, primária e positiva: amorosa! Infelizmente na prática, parece que nem todos aceitam isso como base e vantagem para o propósito do desenvolvimento harmonioso. Culturalmente não somos ensinados a questionar com qualidade, a buscar autoconfiança, empatia, nem a liberdade autêntica e responsável. Veja bem, até a sua lucidez diante de um contexto problemático, se você a melhorar (se diferenciando dos demais), nos primeiros momentos você poderá tornar-se uma pessoa muito “polêmica” para a comunidade ou grupo de pessoas de sua convivência; você deve preparar-se para atravessar alguns desertos! E um dos hábitos individualistas tóxicos que carece de mudança, por exemplo, é o prazer em manipular ou controlar os outros, ao invés de, primeiro, aprender a controlar e essencializar, positivamente, a si mesmo: amorosamente!

Observe a realidade virtual, a tendência nas pessoas em redes sociais, em sua grande maioria, é agradar expectativas alheias, de serem aprovadas por terceiros na forma de pensar, sentir e agir, buscam serem aceitas 100% (curtidas em postagens, fotos, vídeos e comentários). Questão: será sempre positivo o simples fato de conseguir agradar o maior número de “amigos” possíveis, virtuais? Talvez! Devemos considerar também que nem todas as mudanças são positivas. Faça você um paralelo com a realidade concreta: a facilidade de deletar ou excluir/bloquear/deixar de seguir/ofender, pessoas “virtuais”, por simples discordâncias, ou “não curtidas” recíprocas, é uma vantagem? Principalmente os mais jovens podem confundir as realidades, e complicarem suas relações interpessoais com mais facilidade, tornando as pessoas algo “descartável” ou apenas conveniente, obviamente que, aos adultos incorre o mesmo risco de impulsos e tolices. É o bom senso precisando prevalecer.

Precisa-se evitar a acomodação, a tal da insegurança imobilizadora, a anulação por conformidades excessivas, a frustração por excesso de expectativas, sem falar na ingenuidade de querer controlar todas as situações e pessoas. E precisamos nos movimentar sem tanta ansiedade, mesmo diante do reconhecimento de mudanças necessárias e urgentes.

Há a imobilização pelo medo, que torna a pessoa incapaz até de fazer uma simples contestação, e com o tempo criar tendências aos extremos, falhando frequentemente na comunicação. Melhor silenciar do que contrariar? Até que ponto? A individualidade não precisa torna-se frágil ou quase nula. Saber protestar é importante, o que é bem diferente de se especializar na arte de reclamar ou criticar sem qualquer fundamento ou mudança em pauta, e de sobra, ainda se fazer de vítima?

As pessoas repetem padrões no modo de pensar, sentir e agir porque é mais fácil. Nessa lógica de normose (conceito referente a normas, crenças, valores sociais e seus reflexos), segue a maioria diante do que acredita ser divino, no que a mídia impõe como padrão de beleza, as fofocas ganham relevância, a moda guia as necessidades e desejos, o campeonato/time de futebol ganha status de prioridade ao invés de simples entretenimento, políticos cretinos se tornam ídolos etc. São tantas as distrações e distorções, que a pessoa (desatenta de si), vai se descuidando da própria originalidade, dignidade e sensibilidade. Efeitos silenciosos negativos vão chegando: autoestima duvidosa, sensação de vazio e impotência, perda do sentido lúdico, alienação social, desequilíbrio emocional, falta de perspectivas positivas, entre outros.

Não crie resistência diante de mudanças positivas! Seja “diferente”, aceite todos os desafios que isso possa implicar. Busque uma melhor compreensão, uma visão mais elaborada sobre si, reveja hábitos e crenças. Reconheça quem você está sendo hoje, sem esquecer quem você deseja ser amanhã. Aceite o tempo necessário para as mudanças, isso varia de pessoa para pessoa. Você pode perceber a sua personalidade pedindo expansão! Nada de ingenuidade diante das dimensões e satisfações positivas que a vida oferece e pode lhe reservar. Vivemos mais satisfeitos, evoluímos mais, quando abraçamos o luxo do tempo (qualitativo) para as boas sugestões, questionamentos inteligentes, boas reflexões e reinterpretações livres de receios. Sinta o que te provoca, desafia, a ser uma pessoa melhor, mais positiva, que te convida a descobrir outros modos de vivenciar a dinâmica de sua própria realidade.

Consultório de Psicoterapia
Resp. Alexandre Arrenius Elias
Whats: (12) 9.8126-9555 – Caraguatatuba SP

 

 

Alexandre Arrenius

Psicoterapeuta - Escritor - Consultor. Atendimento Litoral Norte Paulista Caraguatatuba - SP (Whats: 12-9.8126-9555 Livros Publicados: "Quando a Espiritualidade Reencontra a Realidade" e "CONSCIÊNCIA, SEU PRÓXIMO DESAFIO".